Página inicial | Favoritos | Contacto | Twitter (não ligo lá muito a isto!)| Facebook (não ligo pevas a isto!)| Myspace (surpresa, surpresa! Também não ligo pevas a isto!)

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Liberdade

"25 de Abril, sempre!" Sempre! Não há nada melhor do que ter 365 dias de feriados.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Politiquices - parte II

Santana Lopes acaba de se candidatar à liderança do PSD. Não tem vergonha, o homem. E ainda bem, pois o país vai ficar mais engraçado. Falou-se de Alberto João Jardim, mas este decide apoiar Santana. É pena! Preferiria, sem dúvida, o madeirense. É por isso que vou fazer o seguinte apelo: ó Jardim, vá lá, candidata-te lá. Duvido que aceite, porque não disse com sotaque. Sou mau a fazer sotaques, mas mantém-se, tal como um rapaz que pede uma rapariga em namoro, a esperança de ouvir o sim.

terça-feira, 22 de abril de 2008

Politiquices

Fala-se da crise do PSD. Para mim, crises só mesmo as da meia-idade. Ou as do Benfica. As do Benfica são graves. Muito graves! Lá estou eu a divagar. Por que é que estou a divagar?! Não sei, mas gosto. Quando divago, a minha mente vai a sítios esquisitos. Divagar é bom, especialmente nos exames. O pior exame deve ser a colonoscopia. Nunca fiz, nem quero fazer. Uma laringoscopia também não deve ser nada agradável. Agora não estou a divagar, estou a ser parvo. Bem, eu sou parvo muitas vezes. Isto está a ficar uma confusão. Está a ficar uma confusão pior do que no PSD. Menezes demite-se e vai haver eleições. Até ao momento há quatro candidatos: Pedro Passos Coelho, Patinha Antão (Que raio de nome é este?!?!), Manuela Ferreira Leite (Fujam! Fujam! Ela vem aí! Ou então metam as mãos nos bolsos! Mesmo que ela não vá ao vosso encontro, metam na mesma. Bilhar de bolso, ah, bilhar de bolso!) e Neto da Silva. Já foram cinco, mas Aguiar Branco foi, como se diz em linguagem política, uma menina. É impressão minha ou, a avaliar pela corrida de candidatos a líder do PSD nos últimos dias e os boatos que correm na comunicação social de mais aspirantes a líder, este partido vai ter mais candidatos nas directas do que pontos percentuais ou deputados nas próximas legislativas?

quarta-feira, 16 de abril de 2008

A coisa está preta!

No Zimbabué. 7. Numa escala de 1 a 10, esta piada merece um 7. Pronto, talvez não mereça.
Todos estão, julgo, a par do que se passa no país africano. Muita gente acusa Robert Mugabe de ser um ditador e não aceitar a derrota eleitoral. O que se passa naquele país, segundo um grande politólogo (eu), deve-se somente a uma coisa: não ter havido votos em branco. 10. Pronto, 9.5.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Acordos

Discutiu-se ontem, dia 7 de Abril, na Assembleia da República, o novo acordo ortográfico. Como sempre, há vozes concordantes e discordantes. Há cerca de um mês, Cavaco Silva, aquando da sua viagem ao Brasil a propósito do bicentenário da chegada da corte a terras canarinhas, achou importante o avanço do acordo de 1990. O que muda na língua?

*Em Portugal o c e o p serão eliminados das palavras em que não são pronunciados, como acção, objecto, adopção;
*Pêlo (substantivo), pára (verbo parar) e pôr (colocar) perdem o acento, não se distinguindo de pelo, para e por;
*O hífen deixa de ser usando, excepto quando o prefixo termina em r, como hiper-, inter- e super-. Passa a escrever-se antirreligioso, infrassom, extraescolar, aeroespacial e autoestrada;
*Sobre o h há versões contraditórias. Os responsáveis brasileiros dizem que desaparecerá de palavras como húmido — passando a escrever-se úmido —, mas os especialistas D´Silvas Filho (da Sociedade da Língua Portuguesa) e Malaca Casteleiro afirmam que o texto do Acordo diz o contrário e que, portanto, hospital, húmido e hélice continuarão a grafar-se da mesma maneira.

(retirado daqui)

Sobre isto, eis o que tenho a dizer: Oi?

sábado, 5 de abril de 2008

Tempo de antena

Venho por este meio comunicar ao leitor que não tenho actualizado este espaço por estar de luto da morte do JC e por estar a consolar a viúva, Maria Madalena. (Pronto, lá vou eu levar com um processo em cima! Ah, espera! sou demasiado insignificante, é verdade! Lá estava eu com a mania das grandezas!)